Home » Cases » Estudo de caso – Laje com protensão: Maciça ou Nervurada?

Estudo de caso – Laje com protensão: Maciça ou Nervurada?


Em mais de 25 anos, a Atex sempre pautou sua atuação no desenvolvimento das melhores soluções e tecnologias para execução de lajes, visando soluções ecologicamente corretas e que gerassem grande economia para seus clientes.

A otimização dos métodos nas últimas décadas gerou processos construtivos mais rápidos, leves e ecologicamente corretos que garantem grandes economias para seus clientes.

Projeto em Laje Nervurada

Por experiência e pelo alto desempenho de seus produtos em obra, a Atex pode afirmar que as lajes nervuradas são a melhor opção para obras modernas, tornando-as mais baratas, sustentáveis e leves. Para provar isso, apresenta abaixo um exemplo de aplicação de nervuras em outra solução possível e existente no mercado: a laje maciça protendida.

Laje protendida

Esse modelo de execução geralmente usa laje maciça. Contudo, ao substituí-la pela nervurada, os ganhos são visíveis. O modelo nervurado protendido pode gerar uma redução de 27% no consumo de concreto e aço em toda a estrutura da laje.

Porém, um problema para a implantação do processo é a escassez de mão de obra especializada em protensão no Brasil. Dessa forma, muitas obras acabam por utilizar a laje maciça tradicional ao invés da protendida. Por esse motivo, também comparamos o modelo maciço protendido com a nervurada sem protensão.

Essa substituição pode ser muito compensadora, já que gera economia de concreto e aço na ordem de 7% em relação à execução da maciça protendida. Utilizando-se a nervurada não protendida, ainda se elimina o problema da contratação de mão de obra qualificada em protensão, evitando atrasos no cronograma da obra e eventuais problemas estruturais.

Projeto em Laje Protendida

Para comparar a viabilização de cada um destes métodos construtivos, foram feitos os cálculos dos valores gastos com concreto e aço das seguintes formas de produção: Laje Cogumelo Maciça Protendida, Laje Cogumelo Nervurada Protendida e Laje Cogumelo Nervurada sem Protensão.

Confira os cálculos de custos de um projeto real para o subsolo de um edifício em Ponta Grossa (PR).

Laje Cogumelo Maciça Protendida

Vãos = 7,8 m Espessura = 20 cm

Carregamento acidental = 300 kg/m² (33%)
Carregamento permanente = 500 kg/m² [pp] + 100 kg/m² [revest.] = 600 kg/m² (67%)

CONCRETO fck=35MPa = 0,20 m³/m²  x R$ 400,00/m³ = R$ 80,00/m²
AÇO PASSIVO = 110 kg/m³ x 0,20 m³/m² x 33% = 7,3 kg/m² x R$ 4,00 = R$ 29,20/m²
AÇO ATIVO = 110 kg/m³ x 0,20 m³/m² x 67%: 4(Resistência ativo > Resistência passivo) = 3,7 kg/m² x R$ 10,00 = R$ 37,00/m²

TOTAL: R$ 146,20/m²

 

Laje Cogumelo Nervurada Protendida

Vãos = 7,8 m  Espessura = 21 cm (Sugestão de uso da fôrma ATEX 660/16+5 em 06/03/17)

CONCRETO fck=35MPa = 0,13 m³/m² x R$ 400,00/m³ = R$ 52,00/m²
AÇO PASSIVO = 7,3 kg/m² x R$ 4,00 = R$ 29,20/m²
AÇO ATIVO = 3.7 kg/m² x (100 + 325/100 + 500) = 2,6 kg/m² x R$ = =10,00 = R$ 26,00/m²

TOTAL: R$ 107,20/m²

**Redução de 27% em relação à laje maciça protendida.**

Laje Cogumelo Nervurada Sem Protensão

Vãos = 7,8 m Espessura = 28 cm (Sugestão de uso da fôrma ATEX 660/21+7 em 06/03/2017)

CONCRETO fck=35Mpa = 0,182 m³/m² x R$ 400,00/m³ = R$ 72,80/m²
AÇO PASSIVO = 14,6 kg/m² x R$ 4,00 = R$ 58,40/m²

TOTAL: R$ 131,20

**Redução de 7% em relação à laje maciça protendida.**

Como se pode concluir, o modelo com lajes nervuradas consistentemente utiliza menos materiais, gera uma estrutura mais leve e de custo menor, seja ela protendida ou não. Veja o comparativo entre as características da Laje Protendida nas versões maciça e nervurada:

 

CARACTERÍSTICAS DAS LAJES MACIÇA PROTENDIDA NERVURADA PROTENDIDA
Espessura Menor Maior
Execução Fácil Média
Tempo Menor Médio
Materiais Maior Menor
Peso Maior Menor
Custo Maior Menor

 

admin
Sobre o autor

E ai, o que você achou?

Deixe o seu comentário!