Home » Cases » Guia introdutório para o BIM

Guia introdutório para o BIM


O BIM, sigla para Building Information Modeling, ou Modelagem de Informação da Construção em tradução livre, representa uma mudança de paradigma nos processos da engenharia civil. Trata-se de um novo conceito que utiliza a modelagem 3D para impactar as mais diferentes etapas e equipes envolvidas em um projeto de construção.

Além de facilitar a visualização , como se transitasse de desenhos técnicos 2D para maquetes, os projetos que implementam a tecnologia BIM podem representar mais do que apenas uma simulação da obra, agregando informações de valores, preços e quantidade de materiais.

O que é o BIM?

A tecnologia da Modelagem de Informação da Construção é um novo modelo de produção que tem foco na informação integralizada. O BIM possibilita uma metodologia de trabalho que, por meio de softwares, aprimoram a cooperação em todas as fases de um projeto – passando pela criação arquitetônica até o final da construção.

No BIM, o foco é na informação. As linhas dos projetos não são apenas linhas, como no CAD. Elas são interpretadas pelo software para a função que ocupam, e podem ser abastecidas de informações como tipo de material, valores e necessidades de manutenção.

Os softwares compatíveis com a tecnologia BIM são capazes de interpretar as geometrias do projeto, definindo e diferenciando as diferentes estruturas na modelagem. Essas representações incluem da forma do empreendimento até a disposição do canteiro de obras, por exemplo.

Com a participação dos vários setores no sistema do projeto, o BIM oferece maior agilidade nos processos, permitindo que ele seja abastecido de todo tipo de informações a qualquer momento – seja de engenheiros, arquitetos, administradores e profissionais da área de compras.

Isso evita que burocracias tornem o desenvolvimento de um projeto mais moroso. Um estudo americano provou que a falta de interoperabilidade nas obras gera um custo de US$ 15,8 bi todos os anos.

Diferença para o CAD

Ao visualizar um projeto em BIM, é fácil vir a comparação com aqueles em CAD. O termo – sigla em inglês para Computer Aided Design, ou desenho assistido por computador, em tradução livre – é um nome genérico para linguagem de computação utilizada em desenhos técnicos.

Desenvolvido nos anos 1950, o CAD tem um longo histórico de uso em diversas áreas da engenharia, arquitetura, geologia, geografia e design. Ele foi o responsável pela substituição de projetos em lápis e papel, trazendo mais eficiência e automação para essas áreas de atuação.

Inicialmente, os softwares de CAD ofereciam apenas objetos 2D, com a aplicação de linhas e vetores coordenados. Com o tempo, passou por modificações para oferecer modelagens 3D, mas o software seguiu com objetivo final de representação.

Em contrapartida, a metodologia BIM expande o fim da simples modelagem. Com a introdução do conceito de objetos inteligentes – aqueles que, como citados anteriormente, são mais que expressões geométricas e trazem em si informações contextuais de diversos tipos – os projetos em BIM são considerados 4D, por vezes até de cinco dimensões, considerando a inclusão de variáveis como custo e tempo.

Enquanto o CAD se limita à representação gráfica, o BIM permite que a modelagem se torne acessível para além da parte técnica, com participação de departamentos de gestão para fins de análise produtiva e econômica.

Assim, o mercado recebeu uma série de softwares preparados para atender às demandas da metodologia BIM. Alguns deles podem até utilizar a importar projetos CAD para utilizar a modelagem 3D já concebida, mas o diferencial são as funcionalidades BIM que garantem interoperabilidade aos processos.

Entre os principais softwares usados no mercado, podemos citar o Autodesk Revit, Vector Works e ArchiCad. Vários programas anteriormente focados em CAD já foram atualizados para integrar a metodologia BIM.

Benefícios para a engenharia civil

Como já foi comentado durante todo o texto, a tecnologia BIM gera benefícios não somente para os profissionais da engenharia civil, mas para todo o escopo dos projetos.

O BIM ajuda a tornar os processos mais assertivos, já que com a possibilidade de se atualizar informações a todo momento, é mais fácil detectar qualquer situação de risco e imprevistos nas obras.

Com as quantidades de materiais e respectivos preços presentes em conjunto da demonstração gráfica, a metodologia torna a previsão de gastos mais palpável e precisa, podendo evitar atrasos de fornecedores e garantindo mais eficiência no empreendimento.

O apelo visual dos softwares que usam a tecnologia também garante outras vantagens, como a facilidade de compreensão para equipes não técnicas, como compras e marketing, ao mesmo tempo em que facilita a logística do projeto, permitindo a realização de um planejamento preciso do canteiro de obras.

A facilidade de compartilhamento de informações agiliza a maior parte dos processos, permitindo o cumprimento dos prazos estabelecidos, e possibilita soluções práticas, por meio da realização de testes prévios.

admin
Sobre o autor
  1. Felipe Macedo Costa disse:

    Gostaria de saber mais informações sobre, como fazer para adquirir.

    • admin admin disse:

      Olá, Felipe. Tudo bem?
      O BIM é uma metodologia, não um produto ou serviço. Por isso, além de investir na capacitação dos profissionais, é importante utilizar um software de qualidade com suporte à linguagem. No artigo, citamos o Autodesk Revit, o Vectorworks Architect e o Archicad.
      Estamos à disposição.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.