Home » Laje » Acompanhe as tendências de alta de preços dos materiais de construção. Veja o infográfico

Acompanhe as tendências de alta de preços dos materiais de construção. Veja o infográfico


O Índice Nacional da Construção Civil (Sinapi) encerrou o ano registrando uma alta de preços dos materiais de construção acumulada em 2020 de 17,28%, segundo o Instituto Brasileiro de Geografia Estatística (IBGE). Preparamos um infográfico reunindo dados de várias fontes para ajudar o setor a projetar as tendências dos preços e da escassez dos insumos da construção.

 

Veja o infográfico entenda o panorama do aumento de preços dos materiais de construção.

 

infografico2-alta-de-preços-dos-materiais-de-construção


Este índice mostra um resultado totalmente atípico, visto que no ano anterior, 2019, a variação acumulada ficou em 4%, uma porcentagem que está em sintonia com o que a economia brasileira apresentou de inflação. Segundo os analistas do IBGE, as duas principais razões para isto acontecer são o aumento da demanda por materiais e a escassez de mão de obra. Com este cenário de encarecimento, muitas obras atrasam, se tornam mais caras e algumas delas até mesmo são interrompidas. Isso porque, além de mais caros, alguns materiais nem sequer estão chegando aos construtores.

 

Os efeitos da alta de preços dos materiais de construção no setor

 

A pandemia de Covid-19 “virou o mundo de cabeça para baixo”. Um dos principais efeitos sentidos logo de início em todo o mundo foi a instabilidade dos mercados financeiros internacionais. Em maio de 2020, quando as primeiras medidas de isolamento começaram a ser impostas, o dólar chegou a ser cotado por mais de R$ 6,00, um recorde na série histórica. E em 2021 não tem sido diferente. O dólar abriu o ano em alta e atingiu quase o mesmo patamar já no início de janeiro.

 

cotação do dólar em 2020 - 2021

O efeito sobre os preços dos materiais de construção foi imediato. Além disso, segundo relatório enviado pela Câmara Brasileira da Indústria da Construção (CBIC) ao Ministério da Economia, a alta de preços está ligada à redução substancial a oferta de produtos. Em especial os setores de aço e cimento, que têm em seus fornos o grande limitador de produção. A reportagem ‘A guinada da Usiminas’, publicada na revista IstoÉ Dinheiro no dia 11 de setembro de 2020, conta que “durante o pico da crise, entre fim de março e abril, 13 dos 32 altos fornos das siderúrgicas brasileiras foram desligados”. De acordo com o mesmo texto, apenas quatro desses fornos já haviam voltado à ativa. No dia 5 de agosto, o jornal Valor Econômico publicou a declaração do presidente da siderúrgica Gerdau, Gustavo Werneck: “em vergalhão estamos com um prêmio negativo em relação ao importado de 20% e com esse aumento em agosto, somado aos cerca de 10% que repassamos em junho e julho, deveremos zerar este prêmio”.

Em uma atuação articulada entre setor público, setor privado e trabalhadores, a construção civil manteve-se em bons níveis. Muito foi investido para proteção aos trabalhadores, com o estabelecimento de protocolos sanitários e concessão de benefícios, com a preservação dos grupos de risco. Dados do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged) de julho de 2020 comprovam o efeito positivo dessas medidas: quase nove mil trabalhadores para os sete primeiros meses do ano. Entretanto, segundo a CBIC nem a manutenção dos empregos no mercado formal nem o aquecimento do mercado informal tiveram a devida correspondência na oferta de materiais de construção. Esse descasamento entre a atividade da construção civil e a oferta de materiais gerou a falta de produtos, criando um aumento artificial nos preços e causando desabastecimento. A própria desvalorização da nossa moeda gerou situações de aumentos significativos em itens como o cobre.

Ao mesmo tempo, o setor imobiliário sofreu uma explosão de demanda ao longo de 2020. Enquanto o risco do mercado de ações aumentava gradativamente com o agravamento da pandemia, a baixa história da Taxa básica de juros (Selic a 2%) acabou com a rentabilidade tanto da renda fixa, como da variável. O mercado imobiliário tornou-se extremamente atrativo para os investidores. Logo, a demanda superou rapidamente a oferta de produtos. Os preços de produtos e serviços da construção civil começaram a subir vertiginosamente. Além disso o Auxílio Emergencial gerou um aumento significativo na autoconstrução em 2020 (pequenas reformas e construções realizadas pelos próprios proprietários). Aumentando ainda mais a demanda por materiais de construção.

 

Entre as graves consequências que a escassez e a alta de preços dos materiais de construção pode causar no setor, segundo a CBIC, destacamos: 

  • Volta de memória inflacionária e reindexação dos contratos, busca de reequilíbrio com judicializações, insegurança jurídica e muitos outros efeitos perversos;
  • Atraso de entrega de obras em função do desabastecimento;
  • Aumento do custo para as empresas e risco de entrega para aquelas que venderam seus imóveis e não contavam com esse aumento extra;
  • Aumento do custo dos imóveis populares;
  • Desemprego na construção.

 

Como reduzir o efeito alta de preços dos materiais de construção?

 

Se as principais matérias-primas da construção civil estão sendo inflacionadas e têm sua distribuição escassa, qual é a melhor saída para evitar que a sua obra custe muito cara, fique parada ou seja entregue com atraso? A solução é simples e lógica: depender menos destes materiais. A busca pela industrialização dos processos construtivos, aumento da produtividade, redução de consumo dos materiais de construção e governança do projetos, são ações imperativas para o setor.

Com os produtos da Atex Brasil, a sua obra pode economizar em até 40% o uso de aço e concreto nas lajes. Basta colocar na ponta do lápis para ver como esta economia pode ajudar positivamente na composição do seu orçamento. Além disso os processos construtivos com o Sistema Atex permitem uma redução considerável no tempo de execução da obra.

As lajes nervuradas oferecem grande economia de materiais porque sua composição permite eliminar o concreto e o aço que não tem função estrutural. Sendo assim, sem alterar a segurança da obra, esta tecnologia torna as estruturas mais leves e  econômicas.

Mas estes não são os únicos benefícios que as Lajes Atex oferecem para a sua construção. Além disso, ela reduz até 15% do peso da estrutura, permitindo a realização de vãos maiores com menos pilares. As lajes nervuradas têm um excelente desempenho acústico (veja os ensaios técnicos) e desempenho em situações de incêndio (veja dos ensaios técnicos) de acordo com a Normas Brasileiras. As Lajes Atex usam processos industrializados padronizados, simples, que não precisam de mão de obra especializada e são altamente produtivos.

 

Conheça as soluções completas da Atex Brasil para a sua obra.

 

Além de todos os benefícios, para o seu caixa, as Lajes Atex são mais sustentáveis. A Atex é responsável pelos produtos da fabricação até a sua destinação final sem descartar nada no meio ambiente.

 

infografico-alta-de-preços-dos-materiais-de-construção

 

Conclusão

 

A industrialização e a governança são duas filosofias de negócios fundamentais para reduzir os efeitos da escassez e da alta de preços dos materiais de construção. Antes de começar a executar o seu projeto, observe os preços das principais matérias-primas, materiais e serviços que você vai utilizar ao longo da obra.

Se a sua construção depende constantemente de grande quantidade de aço e concreto, ela está muito sujeita às variações da economia. No cenário que vivemos, isso é um risco que não vale a pena correr.

O recado é: economize agora tudo o que você puder para manter a sua obra dentro do orçamento e potencializar os seus lucros. Assim, você não sofre com a escassez de preços altos dos produtos. Os 127 modelos de formas da Atex Brasil são os mais resistentes do mercado e podem proporcionar uma economia bastante significativa tanto de dinheiro, como de recursos naturais.

 

Veja o infográfico entenda o panorama do aumento de preços dos materiais de construção.

 

 

 

 

admin
Sobre o autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.