Home » Tecnologia da construção » Concreto vivo: o futuro da construção civil

Concreto vivo: o futuro da construção civil


Perdendo apenas para água, o concreto é o segundo insumo mais consumido no mundo. No ano passado, só aqui no Brasil, foram vendidos cerca de 54,5 milhões de toneladas de cimento.

Além disso, é importante ressaltar que a produção de cimento é responsável por cerca de 6% das emissões de gás carbônico no planeta e que durante o processo de cura do concreto também é liberado o CO 2.

Porém, pode haver uma forma mais sustentável e produtiva de construir obras em alvenaria com a mesma resistência e durabilidade.

Despertamos sua curiosidade? Então, conheça a seguir o concreto vivo.

 Nasce um concreto mais sustentável

À esquerda, Wil Srubar - engenheiro estrutural da Universidade do Colorado, em Boulder. À direita, a aluna de doutorado em ciência e engenharia de materiais, Sarah Williams. Ambos segurando tijolos de matéria de construção feitos de cianobactérias

Crédito: Faculdade de Engenharia e Ciência Aplicada, Universidade do Colorado, Boulder
Legenda: À esquerda, Wil Srubar – engenheiro estrutural da Universidade do Colorado, em Boulder. À direita, a aluna de doutorado em ciência e engenharia de materiais, Sarah Williams. Ambos segurando tijolos de matéria de construção feitos de cianobactérias.

Como alternativa ao concreto comum, pesquisadores da Universidade do Colorado (EUA) estão desenvolvendo um tipo de material a partir de uma mistura de areia, hidrogel e bactérias. Esse elemento pode ser mais sustentável, produtivo e resistente do que o normal.

A composição dará origem a um insumo vivo, com capacidade de “reprodução”.  Ou seja, seria possível fabricar esse material de forma natural e em grande escala, pois as bactérias se proliferam de forma exponencial. Assim, reduziríamos o impacto ambiental causado pela produção e cura do concreto.

Escultura feita com concreto vivo.

Crédito: Faculdade de Engenharia e Ciência Aplicada, Universidade do Colorado, Boulder Legenda: Escultura feita com concreto vivo.

Essa criação também pode ampliar as nossas possibilidades construtivas. Afinal, quando se pensa na colonização de outros planetas, um dos desafios com os quais podemos nos deparar é a dificuldade de transportar material até lá. Com o concreto vivo, isso já não seria um problema, pois precisaríamos levar apenas os elementos para gerar o insumo e criar um ambiente propício para o seu desenvolvimento.

Mas afinal, que ambiente seria esse? Vamos descobrir a seguir.

Fabricação do concreto vivo

Uma das grandes dificuldades desse método é proporcionar condições favoráveis durante o desenvolvimento e armazenamento do material. Isso porque, para atingir sua capacidade estrutural máxima, o concreto precisa estar completamente seco. Em contrapartida, o processo de cura do concreto pode extinguir as cianobactérias – utilizadas no experimento.

Sendo assim, para que os microrganismos sobrevivam e se obtenha a resistência desejada no concreto, é preciso criar um ambiente com condições muito restritas de temperatura e umidade. Controlando esses dois fatores, também seria possível instigar ou interromper a proliferação das bactérias.

Molde para tijolos de concreto vivo.

Crédito: Faculdade de Engenharia e Ciência Aplicada, Universidade do Colorado, Boulder
Legenda: Molde para tijolos de concreto vivo.

Para simplificar a fabricação biológica desse concreto, a equipe de pesquisadores tem tentado desenvolver micróbios resistentes ao processo de secagem do cimento.

A expectativa é que futuramente seja possível implementar outras funcionalidades aos insumos da construção civil, utilizando a tecnologia de materiais vivos.

Inclusive, aqui em nosso blog nós já demos um outro exemplo do uso de microrganismos em materiais de construção, o Bio-concreto. Você lembra?

Srubar, ainda ressalta que esse progresso acontecerá de qualquer maneira e conclui afirmando que “a natureza já descobriu como fazer muitas coisas de forma inteligente e eficiente, apenas precisamos prestar mais atenção”.

Então, só resta aguardar essas evoluções e você poderá continuar acompanhando as novidades do universo da construção civil aqui em nosso blog.

admin
Sobre o autor

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.